DISCERNIR

Discernir ganha um novo significado na espiritualidade do IRSCM

A visão de fé e a largueza de Missão confiada ao IRSCM impelem a uma atitude de discernimento pessoal e corporativo, enquanto dinamismo especifico, indispensável para a renovação e fidelidade carismática.

A leitura atenta dos sinais dos tempos e das necessidades emergentes, trespassada pela oração e abertura ao Espírito de Deus, conduzem a um dinamismo de fidelidade criativa e a novas formas de resposta ajustadas às novas necessidades de cada tempo.

Nesse sentido, o IRSCM prevê, na sua organização interna, os Capítulos – tempos de discernimento corporativo e tomada de decisões, vistas como prioridade na resposta às necessidades da Igreja e do Mundo, no período de tempo que se lhes segue.

Celebramos e agradecemos o dom do discernimento e fazemos memória agradecida das gerações de Irmãs que potenciaram este dom ao serviço da Missão. Neste contexto, evocamos a evolução da explicitação do compromisso com a Justiça na Missão do IRSCM.

À Irmã Patrícia Connor, Superiora Geral do IRSCM entre 1985 e 1995, coube a responsabilidade de implementar decisões muito significativas de renovação neste período de tempo, entre elas, chamar o Instituto a um Processo de Planeamento e à Declaração da Missão. Com esta visão e experiência, a Ir Patricia Connor partilha connosco a importância da Declaração da Missão, o discernimento corporativo que sustentou este documento e o seu impacto na fidelidade do Instituto em “responder às necessidades do nosso tempo e a trabalhar com outros numa ação efetiva pela justiça evangélica”.

Os Capítulos de 1995 e de 2001 realçaram a análise do mundo em progressiva globalização, a consciência da interdependência de todos os povos e de toda criação, o impacto global das ações locais, a urgência de potenciar a riqueza de sermos muitas culturas um só Coração, de fomentar a nossa ação em rede para serviço mais efetivo a favor da Justiça e uma globalização construtora de solidariedade e de esperança. Neste contexto e com este fundamento, o Instituto criou a Rede RSCM da Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC), aqui apresentada pela Ir Mary Jo McElroy, com ampla experiencia de coordenadora deste ministério.

No desejo de fortalecer a intervenção a favor da vida, a denuncia e transformação das estruturas injustas, de elevar a influencia da sua missão a um nível global, as RSCM tornam-se filiadas das Nações Unidas em 2006 através da ONG associada ao Departamento de Informação Pública da ONU.  Em 2013 foi concedido ao Instituto o Estatuto Consultivo Especial junto do Conselho Económico e Social (ECOSOC) que permite a participação nas sessões da ONU e influenciar a reflexão em favor da justiça para com os empobrecidos e marginalizados, especialmente mulheres e crianças.

A Ir Verónica Brand, atual representante da ONG na ONU partilha a sua visão, experiencia e a importância deste ministério na missão do Instituto como voz que revele a ternura de Deus e proclame a nossa espiritualidade RSCM de vida plena para todos.   

Celebramos e agradecemos o discernimento no IRSCM, a arte de discernir a favor da vida, para que todos tenham Vida!