AVANÇAR!

Eco da Comunidade de Fátima.

Com a Fortaleza do Ressuscitado não podemos deter-nos a olhar as marcas sombrias que esta pandemia teima imprimir em nós e em tudo o que tem vida, valor e beleza. É duro, feio, negativo? Já deu para ver que não é, de todo, verdade. Tantas flores, em gestos humanitários, a enfeitar os caminhos desta vida ferida! “Nada está perdido”, no dizer de um nosso poeta transmontano:

“Vamos, ressuscitados colher flores!
Flores de giesta e tojo, ouro sem preço…
Vamos àquele cabeço
Engrinaldar a esperança!
Temos a primavera na lembrança;
Temos calor no corpo entorpecido.
Vamos! Depressa!
A vida recomeça!                 
A seiva acorda, 
Nada está perdido”!

Miguel Torga