Em caminhada jubilar!

CUIDAR! De imediato nos faz pensar na frase: “Suportai-vos uns aos outros…” (Col. 3,13) que livremente adaptamos: “Sede suporte uns dos outros…” nem seria necessária se déssemos atenção ao que precede essa expressão: … “revesti-vos de sentimentos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de paciência…”

Todas/os podemos intuir que “ser suporte” / Cuidar pode implicar acertar o passo com quem caminhamos: umas vezes será dar um passo mais adiante e outras vezes poderá exigir recuar mais um passo, a fim de se chegar juntos onde é preciso chegar, ou seja, à unidade na diversidade.

Aqui, pelos espaços do Santuário, Basílica da Santíssima Trindade, podemos ver, de quando em vez, um ícone, não pintado, mas composto de três pessoas: uma mãe idosa, um filho adulto em cadeira de rodas e outro filho que, em movimento pendular, empurra/conduz a cadeira do irmão. Colocados à frente das bancadas ali participam da Eucaristia. A mãe, sempre atenta a qualquer movimento dos dois filhos, aconchega um, dá água a outro, sobretudo para facilitar a comunhão.

No final há que retomar o movimento, agora mais difícil, porque é movimento de subida. E, para completar este ícone, alguém da assembleia, ao presenciar aqueles movimentos cadenciados, oferece a sua ajuda para amenizar tanto esforço de quem só pode contar com a mãe, uma mãe que, apesar de idosa, aceita CUIDAR daqueles filhos a quem dá não apenas o alimento natural mas também o alimento do espírito: Eucaristia.

É fácil e agradável cuidar de flores e de espaços harmoniosos. Cuidarmo-nos mutuamente implica CORAÇÃO, moldado de gratuidade, iluminado pela Luz que não se apaga, que é Jesus, e centrado no “essencial que é invisível aos olhos”.

 O nosso Papa Francisco dá-nos uma dica sobre o Cuidar:

O SENHOR, que primeiro cuida de nós, ensina-nos a cuidar dos nossos irmãos e irmãs e do ambiente que Ele nos dá de prenda a cada dia”. (In Exortação Apostólica Pós-Sinodal, Querida Amazonia, n.º 41).